Dicas na gestão da inadimplência

As Taxas de Condomínio frequentemente são motivos de dor de cabeça para a administração, em função da inadimplência. O que pouca gente sabe é que essa dívida pertence ao imóvel e, em última instância, o proprietário pode chegar a perder o seu bem se a taxa não for paga

Especialistas ensinam medidas eficazes para diminuir a inadimplência e dão dicas para diminuir despesas que incidem diretamente sobre o valor da taxa. Para quem ainda não sabe, deixar de pagar a Taxa de Condomínio, além de prejudicar a administração do prédio, tem consequências sérias. Isso porque a dívida está vinculada ao imóvel, e não à pessoa, e numa eventual cobrança judicial o imóvel poderá ser levado à leilão judicial.

O Síndico na cobrança administrativa poderá apenas facilitar o pagamento dividindo o débito em parcelas de acordo com a Convenção do Condomínio. Mas caso não haja nenhuma possibilidade de acordo, não restará outra alternativa senão o encaminhamento do débito para a cobrança judicial.

Durante o período de cobrança administrativa, que geralmente dura até 90(noventa) dias,dependendo de cada Convenção de Condomínio, não poderá haver o constrangimento do inadimplente por parte da Administração do Condomínio, como por exemplo: divulgar o seu nome em quadros de avisos e nem em Assembleias. Também não se deve em nenhuma hipótese restringir o acesso do inadimplente aos serviços essenciais, tais como: uso de elevadores, da garagem, entre outros.

Virando o jogo

A atual instabilidade econômica junto com as altas taxas de inflação, desemprego em alta, são fatores que estão contribuindo para o aumento da inadimplência. No entanto, com uma administração mais focada no dia­a­dia, principalmente em relação a controle de pagamentos é possível minimizar esses problemas no Condomínio.

Com o acesso ao “internet bank”, diariamente, é possível identificar o inadimplente para o início das ações de cobrança.

Como melhor forma de inicializar a cobrança, a primeira medida deve ser enviar um SMS ou até mesmo um telefonema (pode se tratar apenas de um esquecimento!!!). Não resolvendo, é preciso enviar uma carta de cobrança mencionando inclusive o prazo para a solução da pendência. Lembrando que tudo deve ser realizado de acordo com o previsto em cada Convenção de Condomínio. Vale aqui relembrar que quanto mais acumular débitos mais difícil será para o inadimplente!!! No esforço de convencimento para a liquidação do débito vale também mencionar que a Taxa de Condomínio é para cobrir as despesas do condomínio (salários, encargos, elevadores, água, luz etc), e o não pagamento provoca o desequilíbrio nas contas do condomínio.

Mas se a negociação não tiver sucesso e for vencida a etapa de Cobrança Administrativa, a única alternativa é a cobrança judicial necessitando para isto de toda a documentação produzida na fase de cobrança administrativa.

Algumas medidas podem ajudar a reduzir as despesas no Condomínio

A Taxa de Condomínio aumentou em termos médios 7,7% no último ano no Brasil, segundo o IBGE. Essa conta vem apresentando cada vez mais peso nos orçamentos pessoais de muitos moradores. Mas se deixar de pagar a taxa de condomínio pode ter consequências graves!!! A boa notícia é que é possível baratear as contas em até 30%, seguindo dicas simples, e contando com a ajuda de todos os condôminos.

Uma forma de diminuir taxas é priorizar a manutenção preventiva em vez de corretiva.

A vistoria é a forma mais certa de manter a segurança e afastar as possibilidades de tragédias. É importante procurar empresas credenciadas junto ao Crea (http://www.creadf.org.br/) para fazer o serviço. E na hora de fazer as obras, procurar fornecedores com referências para não ter que gastar de novo com outra empresa.

A Taxa de Condomínio varia de acordo com fatores como uso de água, luz, contratações de serviços, manutenções e inadimplências. Assim, a adoção de medidas administrativas e a conscientização dos moradores podem ajudar na redução dessas despesas.

A medição individual da água é essencial para a economia. Com a adoção do sistema de reuso, aproveitando a água da chuva, também é possível economizar 20% do recurso. Para economizar em energia elétrica, o uso de lâmpadas econômicas, do tipo LED, e bombas com baixo custo de consumo também podem ajudar muito!!!.

Postagens mais visitadas deste blog